terça-feira, 24 de julho de 2012

Todas as coisas contribuem para o bem dos servos de DEUS!

 Vejamos aqui a sabedoria de Deus, que pode fazer com que todas as coisas imagináveis se voltem para o bem dos santos. Ele pode, por uma química divina, extrair ouro da escória. “Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus!” (Rm 11.33). É o grande propósito de Deus expor a maravilha de Sua sabedoria. O Senhor fez com que a prisão de José fosse um degrau para a sua promoção. Não havia qualquer possibilidade de Jonas ser salvo, exceto sendo engolido pelo grande peixe. Deus permitiu que os egípcios odiassem a Israel (Sl 106.41), e esse foi o meio para a sua libertação. São Paulo estava amarrado em correntes, e aquelas correntes que o prendiam foram o meio para a propagação do evangelho (Fp 1.12). Deus enriquece um homem ao fazê-lo empobrecer; Ele provoca um aumento de graça ao diminuir o seu patrimônio. Quando as criaturas se afastam de nós é que Cristo pode estar mais perto de nós. Deus trabalha de maneira estranha. Ele traz ordem da confusão, harmonia da discórdia. Ele frequentemente faz uso de homens injustos para fazer aquilo que é justo. “Ele é sábio de coração” (Jó 9.4). Ele pode obter glória para Si por meio da fúria dos homens (Sl 76.10): ou os ímpios serão impedidos de fazerem o mal que pretendem, ou eles serão levados a fazerem o bem que não intencionam. Deus frequentemente traz auxílio quando há menos esperança, e salva o Seu povo daquela maneira que eles pensavam fosse causar-lhes destruição. Ele fez uso da malícia do sumo sacerdote e da traição de Judas para redimir o mundo. Movidos por cólera imprudente, nós podemos encontrar defeito nas coisas que acontecem; como se um analfabeto pudesse censurar a filosofia, ou se um homem cego pudesse encontrar defeito num trabalho de jardinagem. “Mas o homem estúpido se tornará sábio, quando a cria de um asno montês nascer homem” (Jó 11.12). Agindo assim, animais tolos estariam acusando a Providência, e chamando a sabedoria de Deus aos limites da razão. Os caminhos de Deus são “inescrutáveis” (Rm 11.33). Eles são para serem admirados, ao invés de investigados. Nessa admiração, nós não vemos nunca a providência de Deus em si, mas a misericórdia ou a maravilha que há nela. Quão estupenda e infinita é essa sabedoria, que faz as circunstâncias mais adversas cooperarem para o bem dos Seus filhos!
(6) Aprendamos quão poucas razões nós temos, então, para ficarmos descontentes diante de tribulações exteriores e emergências! Como assim? Ficar descontente com aquilo que nos fará bem! Todas as coisas cooperam para o bem. Não há pecados aos quais o povo de Deus esteja mais sujeito do que a incredulidade e a impaciência. Eles estão sempre prontos, seja para desmaiarem em incredulidade, seja para se irritarem em impaciência. Quando os homens se enfurecem contra Deus por descontentamento ou impaciência, isso é um sinal de que eles não creem neste texto. Descontentamento é um pecado ingrato, porque todos nós temos mais misericórdias do que aflições; e é um pecado irracional, porque as aflições cooperam para o bem. Descontentamento é um pecado que nos leva a mais pecados. “Não te indignes para fazer o mal” (Sl 37.8, ARC). Aquele que se indigna estará pronto a fazer o mal: Jonas se indignou e, por isso mesmo, pecou (Jonas 4.9). O diabo abana as brasas da cólera e do descontentamento, e então aquece a si mesmo naquele fogo. Oh, que nós não venhamos a nutrir essa serpente abrasadora em nosso peito. Que este texto produza paciência em nós: “Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm 8.28). Devemos nós ficar descontentes com aquilo que coopera para o nosso bem? Se um amigo atirasse uma sacola de dinheiro no outro e, ao jogá-la, a sacola raspasse em sua cabeça, ele não ficaria muito incomodado, tendo em vista que por meio daquilo ele acabara de obter uma sacola de dinheiro! Assim também o Senhor pode nos ferir com aflições, mas isso é para nos enriquecer. Essas aflições produzem para nós um peso de glória, e nós ficaríamos descontentes?
(7) Vejamos aqui o cumprimento daquela Escritura: “Com efeito, Deus é bom para com Israel” (Sl 73.1). Quando nós atentamos para essas providências adversas, e vemos o Senhor cobrindo o Seu povo com cinzas e nos embriagando com absinto (Lm 3.15), nós podemos prontamente pôr em dúvida o amor de Deus, e dizer que Ele trata severamente o Seu povo. Mas, oh não, ainda assim Deus é bom para com Israel, porque Ele faz todas as coisas cooperarem para o bem. Não é Ele um Deus bom, que transforma tudo em bem? Ele remove o pecado e infunde a graça; isso não é bom? “Somos disciplinados pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo” (1Co 11.32). A profundidade da aflição é para nos livrar da profundidade da condenação. Que nós sempre justifiquemos a Deus; quando a nossa condição exterior for a pior possível, que possamos dizer: “Ainda assim, Deus é bom”.
(8) Vejamos que motivo os santos têm para serem constantes nas ações de graças. Nisso os cristãos são deficientes; embora eles sejam muitos no momento de súplica, ainda assim são poucos no momento de gratidão. O apóstolo diz: “Em tudo dai graças” (1Ts 5.18). Por que devemos fazê-lo? Porque Deus faz todas as coisas cooperarem para o nosso bem. Nós agradecemos ao médico, embora ele nos dê um remédio amargo e que nos dá náuseas, porque aquilo é para nos curar. Nós agradecemos qualquer homem que nos dê algum bem-estar; e não deveríamos ser gratos a Deus, que faz todas as coisas cooperarem para o nosso bem? Deus ama um cristão agradecido. Jó deu graças a Deus quando Ele lhe tirou tudo: “O SENHOR o deu e o SENHOR o tomou; bendito seja o nome do SENHOR!” (Jó 1.21). Muitos dão graças a Deus quando Ele dá; Jó deu graças a Deus quando Ele lhe tirou, porque ele sabia que Deus faria aquilo tudo resultar em bem. Nós lemos acerca de santos com harpas em suas mãos (Ap 14.2), um emblema de louvor. Nós encontramos muitos cristãos que possuem lágrimas em seus olhos e queixas em seus lábios; mas há poucos com harpas em suas mãos, que louvam a Deus na aflição. Ser grato na aflição é uma obra peculiar aos santos. Todo pássaro pode cantar na primavera, mas alguns pássaros cantarão no cair do inverno. Praticamente todos os homens podem ser gratos na prosperidade, mas um verdadeiro santo pode ser grato na adversidade. Um bom cristão bendirá a Deus não apenas no amanhecer, mas também no pôr do sol. Que nós possamos seguramente, na pior circunstância que nos sobrevier, ter um salmo de gratidão, porque todas as coisas cooperam para o bem. Oh, que sejamos frequentes em bendizer a Deus: nós daremos graças a Ele que nos trata com favor.
(9) Pensemos: se as piores coisas cooperam para o bem do crente, o que dizer das melhores coisas – Cristo e o céu! Quanto mais devem essas coisas cooperar para o bem! Se a cruz tem em si tanto bem, o que dizer da coroa? Se tão preciosos cachos crescem no Gólgota, quão delicioso é aquele fruto que cresce em Canaã? Se há alguma doçura nas águas de Mara, o que dizer do vinho do Paraíso?  Se a vara de Deus possui mel em sua ponta, o que há em Seu cetro de ouro? Se o pão da aflição é tão saboroso, o que dizer do maná? O que dizer do alimento celestial? Se os golpes e ataques de Deus cooperam para o bem, que efeito terão os sorrisos de Sua face? Se tentações e sofrimentos têm em si uma substância de alegria, que substância a glória terá? Se tanto bem procede do mal, em que então consistirá aquele bem no qual não há mal nenhum? Se as misericórdias que procedem da disciplina de Deus são tão grandes, como serão as misericórdias que procedem da coroação? Que possamos confortar uns aos outros com essas palavras.
(10) Consideremos que, se Deus torna todas as coisas para o nosso bem, quão justo é que nós deveríamos fazer todas as coisas servirem à Sua glória! “Fazei tudo para a glória de Deus” (1Co 10.31). Os anjos glorificam a Deus, eles cantam hinos divinos de louvor. Assim também devem glorificá-Lo os homens, aqueles por quem Deus tem feito mais do que em favor dos anjos! Ele nos dignificou acima dos anjos, ao unir a nossa natureza com o Cabeça. Cristo morreu por nós, não pelos anjos. O Senhor nos deu não apenas do tesouro comum de sua generosidade, mas Ele nos enriqueceu com as bênçãos da aliança, Ele nos concedeu o Seu Espírito. Ele atenta para o nosso bem-estar; Ele faz todas as coisas cooperarem para o nosso bem; a sua livre graça elaborou um plano para a nossa salvação. Se Deus busca o nosso bem, não deveríamos nós buscar a Sua glória?
Pergunta. Como pode ser dito adequadamente que nós devemos glorificar a Deus, se Ele é infinito em Suas perfeições, e não pode obter qualquer incremento de nossa parte?
Resposta. É verdade que, em um sentido estrito, nós não podemos dar glória a Deus, mas, em um sentido evangélico, nós podemos. Quando nós tomamos aquilo que há em nós para erguer o nome de Deus no mundo, e para levar outros a nutrirem pensamentos altos e reverentes acerca de Deus, isso é interpretado pelo Senhor como Sua glorificação; do mesmo modo como se diz que um homem desonra a Deus, quando ele faz com que o nome de Deus seja mal-falado.
Nós somos convocados a fazer a glória de Deus avançar de três maneiras: (i) Quando nós almejamos a Sua glória; quando nós fazemos Dele o primeiro em nossos pensamentos, e o nosso alvo final. Assim como todos os rios correm para o mar, e todas as linhas se encontram no centro, assim todas as nossas ações terminam e têm o seu centro em Deus. (ii) Nós fazemos a glória de Deus avançar ao sermos frutíferos na graça. “Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto” (Jo 15.8). Esterilidade demonstra desonra para com Deus. Nós glorificamos a Deus quando nós crescemos em formosura como o lírio, em altura como o cedro, em fertilidade como a videira. (iii) Nós glorificamos a Deus quando nós damos todo o louvor e glória por tudo aquilo que fazemos a Deus. Foi o caso de um excelente e humilde discurso de um rei da Suécia: ele temia que o povo atribuísse a ele aquilo que era devido a Deus e, por causa disso, fosse removido antes que sua obra estivesse concluída. Quando a lagarta da seda tece a sua curiosa obra, ela esconde a si mesma sob a seda, e não é vista. Quando nós tivermos feito o nosso melhor, devemos desaparecer de nossos próprios pensamentos, e transferir toda a glória a Deus. O apóstolo Paulo disse: “Trabalhei muito mais do que todos eles” (1Co 15.10). Alguém poderia considerar esse discurso recheado de orgulho; mas o apóstolo arranca a coroa de sua própria cabeça, e a põe sobre a cabeça da livre graça: “Todavia, não eu, mas a graça de Deus comigo”. Constantino costumava escrever o nome de Cristo sobre a porta, e nós deveríamos fazer o mesmo sobre os nossos deveres. Sendo assim, esforcemo-nos para fazer o nome de Deus glorioso e renomado. Se Deus busca o nosso bem, busquemos a Sua glória. Se Ele faz todas as coisas servirem à nossa edificação, façamos todas as coisas servirem à Sua exaltação.
É o que nos basta falar acerca do privilégio mencionado em nosso texto.