quarta-feira, 23 de maio de 2012

Genesis capitulo 20



Gn.20:1a7 - Neste capitulo temos duas situaçoes distintas, a primeira e degradação moral a que as vezes o servo de Deus se expõe a vista do mundo; a segunda a dignidade moral que sempre lhe pertence a vista de Deus. Abraão mostra, outra vez, receio diante dos homens daquele pais estranho, sabendo que Deus não habitava ali entre eles, pois não havia temor de Deus em Gerar, mas o que Abraão se esquecera e que Deus estava sempre com ele onde quer que ele fosse. Esqueceu se que Deus era a proteção de sua mulher, então recorreu ao mesmo estratagema que havia utilizado no Egito. Se Abraão tivesse se apoiado inteiramente em Deus, a fidelidade do Senhor o haveria livrado sem ter de passar pela vergonha de ser repreendido por Abimeleque.
E sempre motivo de dor para o coração ver como os filhos de Deus O desonram e se rebaixam diante do mundo quando utilizam artifícios egípcios para sua proteção ao invés da plena confiança em Deus que e nossa plena segurança e proteção. A fé nos conduz para além do alcance dos pensamentos do mundo, pois como podem os homens do mundo ou até mesmo os crentes mundanos compreender a vida de fé?
            Impossível: a fonte de onde ela emana está muito além da sua compreensão: Eles vivem à superfície das coisas presentes. Desde que possam ver um fundamento palpável, eles confiam e ficam esperançosos, porem a idéia de descansarem inteiramente nas promessas de um Deus invisível lhes parece algo totalmente incompreensível.
             Gn. 20:8a13 – Aqui vemos que aquele que são graciosamente recebidos por Deus e iluminados pela Verdade do Senhor, quando se afastam da carreira de fé, ainda que por um só instante, descem ainda mais baixo do que aqueles que nunca conheceram ao Senhor, a ponto de serem repreendidos pelos mesmos. Assim, Abraao foi repreendido por Abilmeleque. Outro fato interessante a ser observado aqui, é a autodefesa de Abraão; ele diz: Fazendo-me Deus sair errante da casa de meu pai, eu lhe disse: Seja esta a graça que me fará em todo o lugar aonde chegarmos, dize de mim: É meu irmão. Vemos que Abraao havia alimentado uma coisa má durante anos, ele havia iniciado a sua carreira com certa reserva, com certa desconfiança na sua alma, e esta reserva era resultado de sua falta de plena confiança em Deus. Se ele pudesse ter confiado em Deus plenamente quanto a Sara, não teria havido necessidade de qualquer reserva ou subterfúgio. Deus a teria guardado de qualquer mal, quem pode fazer mal àqueles que são felizes objetos da proteção de Deus!! Todavia Abraão pode, em misericórdia, arrancar a raiz de todo o mal – confessá-lo, julgá-lo inteiramente, e deixá-lo. Não pode haver verdadeira benção enquanto não for trazida à luz cada partícula de fermento e calcada aos pés.
Quando contemplamos o povo de Deus percebemos diferenças espantosas entre o que sãos aos olhos de Deus e o que são aos olhos do mundo. Deus contempla-os em Cristo, e por isso vê-os sem mácula, nem ruga, ou coisa semelhante ( Ef.5:27 ). Eles são o que Cristo é perante Deus. São perfeitos para sempre, quanto à sua posição em Cristo. Não estão na carne, mas no Espírito. Em si mesmo, eles são pobres, fracos, imperfeitos e inconstantes e é disso mesmo que o mundo toma conhecimento. O que o mundo vê e o que Deus vê são óticas completamente diferentes.
              Contudo, é prerrogativa de Deus mostrar a beleza, a dignidade e a perfeição do Seu povo. É Seu privilégio exclusivo, visto ser Ele Próprio Quem outorga essas coisas. Eles têm somente a formosura que Ele lhes tem dado e é, portanto, Seu direito declarar o que essa formosura é; E Ele fará de maneira digna de Si mesmo, e nunca é tão abençoadora como quando o inimigo se dispõe a ferir, a amaldiçoar, ou acusar. Assim, quando Balaque se dispõe a amaldiçoar a semente de Abraão, diz a Palavra do Senhor: “Não vi iniqüidade em Israel, nem contemplei maldade em Jacó! As tuas moradas, ó Israel”! (Nm.23:21 e 24:5). Outro tanto, quando satanás se apresenta para resistir a Josué, a Palavra é: “O Senhor te repreenda, ó satanás,..... não é este um tição tirado do fogo”? (Zc.3:1). Assim o Senhor se interpõe entre o Seu povo e toda a língua que procura acusá-los. Ele não responde as acusações referindo-Se ao que o Seu povo é em si, ou o que são aos olhos dos homens deste mundo, mas o que Ele próprio tem feito deles, e onde os tem colocado.
Assim, no caso de Abraão, ele podia rebaixar-se à vista de Abimeleque, rei de Gerar; e Abimeleque podia ter de o repreender, porém, quando Deus trata do caso, Ele diz a Abimeleque: Eis que morto serás por causa da mulher que tomaste.... (Gn.20:3). E de Abraão Deus diz: profeta é, e rogará por ti (Gn.20:7). Sim, com toda “a sinceridade do seu coração e a pureza de suas mãos” neste caso com Abraão, o rei de Gerar não passava de um homem morto. E, além disso, ele tem de ser devedor das orações de um estrangeiro inconsistente que deverá orar pela restauração da sua casa.
Gn.20:14a18 – “E orou Abraão a Deus, e sarou Deus a Abimeleque, e à sua mulher, e as suas servas, de maneira que tiveram filhos”. Assim é, pois, o método do Senhor: O Senhor pode ter controvérsias com os Seus, com base nos Seus caminhos, mas logo que o inimigo intenta acusações contra eles o Senhor defende sempre a causa dos Seus servos. Em sua contenda com Abimeleque, Abraão, claramente agiu mal, porém, Deus o corrigiu e o restaurou e, além de declarar sua condição de profeta eleito do Senhor, Deus exige que as restauração da casa de Abimeleque viesse apenas pela intercessão de Abraão, o que mostra o imenso carinho e cuidado do Senhor com Seus servos e o controle absoluto que o Senhor tem sobre tudo. “É Deus quem os justifica, quem os condenará?” (Rom.8:33e34). Abraão orou para que as mulheres estéreis do reino de Gerar tivessem filhos, enquanto sua própria mulher, por quem ele já havia orado tanto, continuava estéril. Como deve ter sido difícil e incompreensível para Abraão ver que suas orações eram respondidas tão rapidamente quanto às mulheres estéreis de Gerar, enquanto Sara permanecia incapaz de conceber. Esta deverá ser, sempre, uma dura lição para o servo de Deus, saber que deverá ter seus olhos postos no Senhor, convicto de que Ele é o dono do tempo, sabe a hora certa, está nos treinando e disciplinando e nada nos dará antes de estarmos prontos.
Bendito seja eternamente o Seu nome!
Amém!