sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Rimos

          

 Considere o caso de Sara. Ela está em seus anos dourados, mas DEUS lhe promete um filho. Fica extasiada. Visita a loja de futuras mamães e compra alguns vestidos. Planeja o chá de bebê e reforma sua tenda... Mas não há filho algum. Come alguns bolos de aniversário e sopra um monte de velinhas... Ainda não há filo. Passa por uma década de calendários de parede .... Ainda não há filho.

          Finalmente, catorze anos mais tarde, quando Abraão  já tem quase cem anos e Sara noventa... quando Abraão deixou de ouvir os conselhos de Sarai, e quando ela já não mais lhe dá qualquer orientação...quando o papel de parede do  quarto do bebê está desbotado e os móveis infantis estão fora de moda... quando o assunto do filho prometido traz suspiros e lágrimas e um  demorado olhar em direção a um céu silencioso... Deus lhes faz uma visita e pede  que escolham um nome para o seu filho.

          Abraão e Sara têm a mesma reação: o riso. Alegram-se, porque isso é bom de mais para ser verdade; e porque poderia acontecer. Riem porque desistiram de ter esperança, e a esperança nascida é sempre engraçada antes de ser real.

          Rimos, porque isso é o que fazemos quando alguém diz que pode realizar o impossível. Riem um pouco de DEUS, e muito  com DEUS - porque DEUS ri também. Então, com o sorriso ainda no seu rosto, o Senhor se ocupa em realizar o que faz de melhor - inacreditável...

            DEUS muda sua fé. Muda o valor da sua dedução de impostos. Muda a maneira como definem a palavra "impossível". E acima de tudo, muda a atitude de Sara em relação à sua confiança em DEUS.