quinta-feira, 22 de março de 2012

Abandonar a religião e seguir o Senhor Jesus

 
Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens. Então, eles deixaram imediatamente as redes e o seguiram (Mt 4:19-20)Mt 3:14-17; 11:1-3; Jo 1:29, 34; 4:25, 39-42

Todo o povo de Israel tem esse pensamento: o Messias virá um dia para nos salvar. A história da mulher samaritana nos aponta que o Senhor é o Messias esperado pelos judeus. O Senhor Jesus esperou pela mulher samaritana junto ao poço. Ao sentar-se ali, Ele já sabia de toda a sua vida: que ela era uma pecadora, que já tivera cinco maridos e que estava vivendo com um homem que não era seu marido.
A mulher se assustou ao ouvir que o Senhor sabia de tudo aquilo e disse: "Eu sei, respondeu a mulher, que há de vir o Messias, chamado Cristo; quando ele vier, nos anunciará todas as coisas" (Jo 4:25). Ela foi à cidade e falou para os que ali habitavam que tinha achado o Cristo, e muitos creram por causa do seu testemunho, outros por ouvir o próprio Senhor (vs. 39-42).
Após ser preso, João Batista mandou seus discípulos perguntarem ao Senhor: "És tu aquele que estava para vir ou esperaremos outro?" (Lc 7:20). Foi estranho que João chegasse a duvidar que Jesus era o Cristo que havia de vir, uma vez que ele mesmo já havia testificado, várias vezes, publicamente, ser Ele o Cristo.
Na verdade, João sabia muito bem que Jesus era o Messias, porque, quando o Senhor Jesus foi até ele para ser batizado, disse aos seus discípulos que Ele era o Cordeiro de Deus que tirava o pecado do mundo (Jo 1:29). Além disso, ele não queria batizar o Senhor, pois dizia: "Eu é que preciso ser batizado por ti e tu vens a mim?" (Mt 3:14). João também testemunhou que viu o Espírito descer sobre Ele como pomba e ouviu uma voz dos céus que dizia: "Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo" (v. 17). E mais, testificou dizendo que Ele de fato era o Filho de Deus (Jo 1:34).
João Batista não entendia por que, agora que estava preso, o Senhor não o libertava? Por isso mandou perguntar-Lhe se era de fato o Cristo que havia de vir ou se deveria esperar outro. Ele não compreendia onde estava falhando. O Senhor Jesus disse aos discípulos de João Batista: "Ide e anunciai a João o que vistes e ouvistes: os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e aos pobres, anuncia-se-lhes o evangelho" (Lc 7:22). Em outras palavras, aqueles milagres provavam que o Senhor Jesus era o Messias. Mas, é provável que segundo o conceito de João Batista, se Jesus era mesmo o Messias, deveria tirá-lo da prisão.
João Batista a princípio era contra a velha religião; mais tarde, porém, formou seu próprio grupo de discípulos. Ter alguns seguidores antes da vinda do Senhor era até admissível, mas depois, quando o propósito de sua missão já havia sido completado, isso não se justificava. A partir de então, ele deveria seguir o Senhor e, em seguida, receber Dele o batismo do Espírito Santo.
Infelizmente, depois de batizar o Senhor Jesus, João Batista não se deu conta de que também precisava ser batizado por Ele. Pior ainda, não se preocupou em dissolver seu grupo de discípulos e passar a seguir o Senhor, mas os manteve, concorrendo, assim, com o ministério do Senhor. Seus discípulos chegaram a se unir aos fariseus para confrontar o Senhor. Os fariseus representavam a velha religião que João Batista havia rejeitado. Mas, a partir daquele momento, podemos dizer que a velha e a nova religião estavam juntas para questionar o Senhor Jesus; que contradição!
A fim de não seguir o exemplo dos discípulos de João Batista, devemos negar a nós mesmos, rejeitar tudo que nos distraia do Senhor e ser discípulos só Dele.