quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Consequências do pecado

Genesis 4:1 - 5:32



Depois que Adão pecou no Jardim do Éden (Gn 3), o pecado afetou a existência de toda criatura vivente. O pecado e a morte reinaram em cada indivíduo, Enoque, uma notável exceção da punição de morte, “andava com DEUS”.
Caim, assim como Adão e Eva, queria manter distância de DEUS. Em vez de confessar seu pecado, tentou escondê-lo do SENHOR.

Eis aqui uma boa regra: Aqueles que ocultam segredos de DEUS mantêm distância Dele. Aqueles que são honestos com DEUS chegam mais perto Dele.
Isto não é novidade. Acontece entre as pessoas. Se você me empresta seu carro, e eu o danifico, estarei ansioso para vê-lo novamente? Não. Não é por coincidência que a conseqüência do primeiro pecado foi ocultar-se atrás dos arbustos. Adão e Eva comeram do fruto, ouviram DEUS no jardim, e embrenharam-se entre as folhas.
“Onde estás?” Indagou DEUS. Não que Ele não soubesse. Ele sabia exatamente onde estavam. A questão era espiritual, não geográfica. “Examinem onde vocês estão, filhos. Vocês não estão onde deveriam. Vocês estavam ao meu lado. Agora estão escondidos de mim.”
O segredo ergue uma barreira, enquanto, a confissão constrói uma ponte.
Era uma vez dois fazendeiros que não conseguiam ter um bom relacionamento.
Uma larga ravina já separava as duas fazendas, mas, em sinal de sua aversão mútua, cada um construiu uma cerca em seu lado do precipício, para manter o outro fora.
Certa vez, contudo, a filha d e um dele s encontrou o filho do outro e ambos se apaixonaram. Determinados a não ficarem separados pela insensatez de seu s pais, eles desmancharam a cerca, e usaram a madeira para construir uma ponte sobre a ravina.

A confissão do pecado torna-se uma ponte sobre a qual podemos caminhar de volta á presença de DEUS.
Pergunte a si mesmo: O que estou tentando esconde de DEUS? Confesse o seu pecado e o seu desejo de viver sua vida independente de DEUS. Ele quer que vivamos em total adoração e comunhão com ELE.
Medite sobre:
Mundos desfeitos

Ex 2 e 3; 2Sm 11 e 12; Sl 51; Jn 1 ao 4; Mt 26:6-75.