quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Quebrando Muros


A cruz de Cristo cria um povo novo, um povo sem restrições de cor de pele ou contenda familiar. Uma cidadania nova baseada, não em geografia ou ancestrais comuns, mas em um Salvador comum.
Meu amigo Buckner Fanning experimentou isso em primeira mão. Ele era um fuzileiro naval na Segunda Guerra Mundial em Nagasaki três semanas após o lançamento da bomba atômica. Você consegue imaginar um jovem soldado americano no meio dos escombros e destroços da cidade demolida? Vítimas queimadas pela radiação vagando pelas ruas. Despejamento de precipitação atômica sobre a cidade. Corpos queimados em um caixão preto. Sobreviventes arrastando-se pelas ruas, procurando por famíla, comida e esperança. O soldado vitorioso sem sentir vitória mas aflição por causa do sofrimento a sua volta.
Ao invés de raiva e vingança, Buckner encontrou um oásis de graça. Enquanto patrulhava as ruas estreitas, ele se deparou com uma placa que tinha uma frase em inglês: Igreja Metodista. Ele anotou o endereço e decidiu voltar no domingo seguinte de manhã.
Quando voltou, ele entrou em um prédio parcialmente desmoronado. Janelas, estilhaçadas. muros, deformados. O jovem fuzileiro naval atravessou os escombros, sem saber como seria recebido. Por volta de quinze japoneses estavam arrumando as cadeiras e removendo os entulhos. Quando o americano uniformizado entrou no meio deles, eles pararam e se viraram.
Ele só sabia uma palavra em japonês. Ele a ouviu. Irmão. “Eles me receberam como um amigo”, Buckner relata, a força do momento ainda ressoa mais de sessenta anos depois dos eventos. Eles lhe ofereceram um assento. Ele abriu sua Bíblia e, sem entender o sermão, sentou e observou. Durante a comunhão os adoradores levaram os elementos a ele. Naquele momento tranquilo a inimizade de suas nações e a dor da guerra foram colocadas de lado enquanto um cristão servia a outro o corpo e o sangue de Cristo.
Outro muro caiu.
Quais os muros que estão no seu mundo?
Brian Overcast está derrubando muros em Morelia, México. Como diretor do centro NOÉ (Novas Oportunidades na Educação), Brian e sua equipe tratam o problema da imigração ilegal com uma abordagem única. Os membros do grupo me contaram recentemente, “Os mexicanos não querem cruzar a fronteira. Se eles pudessem ficar em casa, eles ficariam. Mas eles não podem porque não conseguem empregos. Então ensinamos inglês a eles. Com conhecimentos de inglês eles podem ser aceitos em uma das universidades de baixo custo do México e encontrar uma carreira em casa. Outras pessoas veem imigrantes ilegais; nós vemos oportunidades”.
Outro muro derrubado.
Nós não podemos viver nossas vidas se não conseguimos ir além dos nossos preconceitos. Quem são os seus samaritanos? Eunucos etíopes? De quem você foi ensinado a desconfiar e evitar?
É hora de eliminar alguns tijolos.
Bem-vindo ao dia que Deus o leva à sua Samaria – não tão distante em quilômetros, mas diferente em estilos, gostos, linguagens e tradições.
E se você encontrar um eunuco etíope, tão diferente mas também tão sincero, não recuse essa pessoa. Não deixe que classe, raça, sexo, opinião política, geografia ou cultura obstrua o trabalho de Deus.
“Portanto, aceitem-se uns aos outros, da mesma forma que Cristo os aceitou, a fim de que vocês glorifiquem a Deus” (Romanos 15:7).
Senhor, de quantas maneiras o meu coração tolo faz distinções erradas entre o seu povo? Revele-as a mim. Quantas vezes eu julgo alguém como indigno do senhor pela maneira como eu trato ele ou ela? Repreenda-me em seu amor. Onde eu posso destruir alguns muros ou eliminar uma barreira que mantém seus filhos separados uns dos outros? Dê-me algumas dinamites e habilidade e coragem para usá-las para a sua glória. O que eu posso fazer em minha esfera ou influência para levar o amor de Cristo a alguém que possa sentir-se banido ou afastado do senhor? Forneça-me discernimento divino e abençoe-me com a determinação de ser suas mãos e seus pés. Que eu possa ser uma ponte e não um muro. Em nome de Jesus eu oro, amém.