quinta-feira, 14 de junho de 2012

1) Quem me tocou as vestes?



Levítico 15 descreve a situação das pessoas que tinham um fluxo de sangue e as normas relacionadas com esse problema. Devemos dar graças a Deus pela narrativa da mulher com fluxo de sangue encontrada em Mateus, Marcos e Lucas. Será de grande ajuda se o leitor pudesse ler agora o que os três escritores disseram. Pode parecer que existe alguma contradição entre eles, mas na verdade eles se completam (Mt 9.18-26; Mc 5.22-43; Lc 8.40-56).

O evangelista Marcos dedicou todo o capítulo 5 para descrever o encontro do Senhor Jesus com três pessoas distintas: o homem de Gadara com a Legião de demônios, Jairo e sua filha e a mulher com o fluxo de sangue. Depois de libertar o homem com a Legião de demônios, o Senhor passa para o outro lado do mar onde grande multidão se aglomera para ouvi-Lo. Chega um homem, chefe da sinagoga, cujo nome era Jairo e Lhe implora para ir e ver sua filha que está para morrer. Jesus se põe a caminho com Jairo e com a grande multidão que O apertava, pois todos queriam vê-Lo e estar mais perto dEle.
Mas uma certa mulher, cujo nome não é dado e que sofria há doze anos de uma hemorragia (fluxo de sangue), decidiu furar o bloqueio da multidão, a fim de tocar na veste do Senhor. Ela estava em grande desespero, pois tudo o que possuía havia sido gasto com os médicos e eles nada puderam fazer para ela. O pior de tudo é que ela ficava cada vez pior. Mesmo num tal estado de fraqueza por causa da perda de sangue durante doze anos, ela, na sua extrema fraqueza extraiu força (Hb. 11.34) e conseguiu se aproximar do Senhor. Estendeu a mão com determinação e agarrou com firmeza certa parte da veste de Jesus e imediatamente comprovou a cura do seu mal. O Senhor, sentindo que havia saído virtude (dinamis, grego) dEle, disse aos Seus discípulos: “Quem me tocou as vestes?” Sutilmente eles chamam a atenção do Mestre dizendo: “Vês que a multidão Te aperta e perguntas: Quem me tocou?”
Mas o Senhor sabia que havia alguém no meio da multidão que havia tocado nEle de forma diferente. Ele estava sendo atropelado e comprimido por todos, mas alguém havia tocado nEle com fé. A mulher, atemorizada, trêmula e consciente do que lhe havia acontecido, prostrou-se diante dEle e declarou a verdade, tendo Jairo e a multidão como testemunhas. Nesse momento o Senhor lhe diz: “Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz e fica livre desse teu mal”. As palavras do Senhor Jesus visam corrigir uma certa mistura de fé e superstição que havia na mulher. Ela pensava que precisava tocar na orla das Suas vestes para ser curada.
Nesse exato momento chega o mensageiro trazendo a triste notícia do falecimento da filha de Jairo, com a sugestão para não mais incomodar o Mestre. Mas Jesus apenas lhe diz: “Não temas; crê somente”. Era como se Ele lhe dissesse: “Jairo, agarre o exemplo dessa pobre mulher que acabou de ser curada”. E juntos foram para a casa de Jairo onde estava a menina morta. Entrando no quarto junto com Pedro, Tiago, João e os pais, Ele segurou sua mão e lhe disse: “Talitha cumi”, que traduzindo é: “Cordeirinho, levanta-te.” A menina se levantou e Jesus mandou que lhe dessem de comer.