sábado, 21 de setembro de 2013

“CHEGAMOS AO MONTE SIÃO”

 
Enquanto esperamos em Ti [em Ti, Senhor, esperamos] e enquanto de fato precisamos de Ti para nos abençoar,  pedimos que Tu nos abençoe enquanto esperamos em Ti, nós nos levantaríamos até mesmo mais alto e diríamos,Senhor, satisfaça a Ti mesmo. Receba para Ti mesmo a recompensa pelos Teus sofrimentos,  pelos sofrimentos de Tua alma. Senhor, encontre a Tua própria satisfação. Nossas vontades, sabemos, seguem. Nós não perderemos coisas alguma se o Senhor receber aquilo que Ele deseja. E assim, que possamos encontrar a nossa benção em Tua benção, em Teu nome. Amém.
A Carta aos Hebreus, e nós estamos esta manhã vindo para a concentração de toda carta em apenas uma seção. No capítulo 12, você notará que esta concentração de toda a carta nesta seção é governada por duas palavras, “Não _ Mas”.  Versos 18–25:
“Porque não chegastes ao monte palpável, aceso em fogo, e à escuridão, e às trevas, e à tempestade, E ao sonido da trombeta, e à voz das palavras, a qual os que a ouviram pediram que se lhes não falasse mais; Porque não podiam suportar o que se lhes mandava: Se até um animal tocar o monte será apedrejado ou passado com um dardo. E tão terrível era a visão, que Moisés disse: Estou todo assombrado, e tremendo. Mas chegastes ao monte Sião, e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos; À universal assembléia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados; E a Jesus, o Mediador de uma nova aliança, e ao sangue da aspersão, que fala melhor do que o de Abel. Vede que não rejeiteis ao que fala;”
Não—Mas.  Não iremos ater-nos aos vários detalhes reunidos debaixo do “Não”. Iremos simplesmente dizer que isto representa uma tremenda mudança de um sistema de atividade  e método Divino,  que no passado era de natureza tangível, palpável, de sentimento, _  o que você podia ver com os seus olhos naturais, e ouvir com os seus ouvidos naturais, e tocar com as suas mãos, e registrar através de seus sentidos de sua alma e corpo. Isto compreende o sistema passado, e sobre isso está escrito “NÃO” _ não mais. Este tipo de coisa foi deixado para trás. E, anote aí, caro amigo, é porque isso foi desprezado, e não foi reconhecido é que o Cristianismo está pobre hoje, porque está amplamente baseado sobre este NÃO”. Você verá isto mais adiante, talvez, enquanto prosseguimos para o lado positivo. Mas registre isto, registre aquilo a que você ainda não chegou. Tome-o sentença por sentença em sua significação, e  veja a que nós não chegamos. Nós não chegamos a um sistema que pode ser apropriado e conhecido pelos sentidos naturais.  Isto é abrangente, que toca muito, que está acabado. A Cruz está no meio desse “Não” e este “mas temos chegado”.
Agora eu quero ser bem implícito e cuidadoso. Será que eles realmente chegaram ao Sinai? Você viu a descrição? O Espírito Santo através do escritor faz isto tão real, definitivo, positivo e enfático que até mesmo Moisés, que tinha acesso a Deus, que tinha tanta amizade com Deus, com quem ele falava face a face, como um homem ao seu amigo, este homem disse: “Estou todo assombrado e tremendo”. Era aquilo real? Era aquilo imaginário? Era aquilo abstrato? Não, aquilo era muito real. As pessoas gritavam: “Chega, não podemos suportar isto.” Era muito real! É a isso que eles haviam chegado. Se você estivesse lá, sem dúvida, teria dito:  “Não há nada imaginário aqui. Isto é algo terrível.”  “Mas temos chegado”, e você diria que o “MAS” é menos real do que o “NÃO”? Diria você que isto a que temos chegado hoje é abstrato, enquanto aquilo era concreto? Oh, não, estou certo de que isto é até mais real; e, caros amigos, este é o ponto sobre o qual devemos focar todas as coisas, a realidade daquilo a que chegamos.
Quando você prossegue e analisa tudo isto em seus detalhes, se você se basear em seus próprios sentidos, os sentidos da mente e da alma, você ficará completamente  confuso. É que parece tão idealístico ou imaginário, tão etéreo, tão irreal. Veja, para o natural, o espiritual é irreal. Para o homem natural, para o homem de alma, aquilo que é essencialmente e intrinsecamente espiritual é irreal. Sua reação é “Oh, sejamos práticos, vamos ficar com os pés no chão, vamos descer das nuvens e pisar no chão firme, vamos ficar com as coisas que são mais reais.”  Esta é a reação do homem natural ao espiritual. Mas, para o homem espiritual, as coisas espirituais são mais reais do que as coisas tangíveis. E isto a que temos chegado, para dizer o mínimo, é tão real quanto aquilo a que eles haviam chegado no Sinai, muito embora siga uma ordem diferente.