sexta-feira, 6 de setembro de 2013

“NÃO” — “MAS”


Agora, irmãos, como já dissemos anteriormente, adquirir esta experiência pode demorar  o resto de sua vida.  Como você pode ver, essas duas palavras governam todo o Novo Testamento; e, se você se interessar em fazer um estudo mais aprofundado e analítico do Novo Testamento a partir desta ótica, sublinhando cada ocorrência onde essas duas palavras são colocadas juntas, então terá uma imensa e nova compreensão(revelação) do significado de Cristo, e da diferença que Ele fez, da grande divisão.
O “não” e o “mas” se aplica a tudo. Aplica-se ao início da história cristã no indivíduo. Abra o Evangelho de João. Onde você se encaixa?  “os quais nasceram, não do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.”Aqui está o seu grande   “Não”—“Mas”   já no início; e se eu prosseguisse em mostrar a você como isto se aplica a tudo no Novo Testamento [e nós estaremos falando sobre isso mais tarde, em suas particularidades] você veria a Cruz, com o seu grande divisor. Este é o grande “Não” de Deus _  ah, mas na ressurreição, e lembre-se de que a ressurreição é sempre positiva,  o “MAS” é  positivo.
A palavra  “nem” é apenas uma outra palavra para “não”: “Porque em Cristo nem a circuncisão é alguma coisa, nem a incircuncisão, mas o ser uma nova criatura(criação)”—   “Não–Mas,”  e assim você poderia prosseguir. É maravilhoso como essas duas palavras abrem tudo e nos dão um “vislumbre”  daquilo que vem a nós, e  o que temos recebido com a vinda de Jesus Cristo. E aqui está a grande divisão _ com a Cruz situada entre os dois Testamentos, lá no final de Malaquias [o qual é um livro trágico, do fracasso de todas as coisas no passado] e, no início de Mateus, [que é um livro de esperança, de luz, de vida, de tudo novo]. Com esta divisão está o grande “MAS” de uma nova ordem de coisas: é o fim de um sistema e o começo de um outro completamente novo. A Cruz do Senhor Jesus escreveu essas duas palavras sobre toda a história coberta pela Bíblia. A Bíblia foi colocada para compreender a história humana, e a história humana está compreendida nessas duas palavras: “Não”–“Mas.”
Agora, há algo aqui que devo dizer, e espero que seja muito proveitoso. A Cruz é uma coisa muito prática. Para  Deus, a Cruz não é uma doutrina, ou apenas uma doutrina, do caminho da salvação, do caminho da redenção. A Cruz não é apenas uma teologia de reparação, e todo esse tipo de doutrina; e ela certamente não é apenas algo histórico representado pelo crucifixo. A Cruz é algo extremamente prático para Deus, que veio para fazer real essa divisão; e, embora você possa saber tudo a respeito da mensagem da Cruz, (ou acredite assim o conheça), embora você possa estar cheio do ensino da Cruz, o teste real do conhecimento que você possui sobre a Cruz é onde esta divisão foi colocada em você, onde a Cruz resulta num abandono total de um regime, sistema ou ordem.
Oh, eu sei que você diz: “A Cruz significa que eu deixei o mundo e as coisas do mundo.”  Oh,  é tolice falar dessa maneira. Você realmente não sabe o que você tem que deixar para trás. Contudo, você irá aprender  debaixo das mãos de Deus o que a Cruz significa sobre a eliminação, o deixar de lado, cada vez mais de lado, daquilo que pertence à velha ordem. Nós estamos chegando a isso, em Hebreus. Estamos entrando nesta carta aos Hebreus, e você irá chegar a uma frase que você conhece: “Saiamos, pois  a Ele  fora do arraial, levando o Seu opróbrio”.  O que isso significa para você?  “fora do arraial”.
Leva bastante tempo para aprender o que isto significa, e isto significa passar por algumas experiências literalmente  terríveis  e devastadoras em nossa vida da alma. Esta é a obra da Cruz. Como você vê, a Cruz é algo tremendamente prático, que força uma passagem, tornando-a cada vez mais ampla, à medida em que prosseguimos; o fato é quanto mais nos movemos [queiramos ou não] para dentro de uma compreensão espiritual, e da apreensão do significado de Cristo, achamos-nos mais e mais sozinhos, no que diz respeito a muitos cristãos, e certamente no que diz respeito ao sistema tradicional do Cristianismo.
Agora, para trazer esta introdução preparatória para mais perto, permita-me novamente voltar ao ponto inicial,  e dizer que o progresso na vida e o propósito de Deus depende do discernimento espiritual  [ao qual esta carta aos Hebreus tem a ver, em sua totalidade;  lembra o que ela diz?: “—“Saiamos ... ”— esta é uma das palavras chaves, frases chaves, de toda a carta.  “Saiamos pois — fiquemos atentos, prossigamos para a perfeição].  O que estou dizendo é que o progresso na vida e propósito de Deus, para o indivíduo e para a igreja, depende  (e se você esquecer tudo mais, escreva isto) do discernimento espiritual,este tipo de conhecimento espiritual e entendimento, assim como da natureza desta grande mudança que veio com o Senhor Jesus. _Discernimento _ !