sábado, 23 de agosto de 2014

Introdução ao livro de Esdras




De Martinho Lutero, você já ouviu falar. De Philipp Melanchthon, provavelmente não. Mas Lutero conheceu Melanchthon. E por causa disso, Lutero foi um homem melhor.
Melanchthon foi o intelectual da reforma. Ele autorizou a  Confissão de Augsburg. Também foi ele o primeiro a fazer por escrito uma teologia evangélica.


Ele tinha apenas onze anos quando seu pai morreu, e somente doze quando seu avô o presenteou com uma Bíblia e uma gramática grega. Nos próximos cinqüenta anos, os três forma inseparáveis. O grande amor de Melanchthon era ensinar a Palavra de DEUS.
Ele não apenas lia a Bíblia, mas devorava-a. Aos dezessete anos, era membro do corpo docente da Universidade de Wittenberg. Conquanto fosse de compleição miúda, e de saúde frágil, possuía uma mente aguçada.
E ainda mais importante: era forte em seu propósito.
Melanchthon viva para estudar e ensinar a Bíblia Ele conquistou  o repito de Martinho Lutero. "Nasci para lutar", afirmou o reformador, "mas  o mestre Philipp vem semeando com alegria".
O profeta Esdras era o Philipp Melanchthon de seus dias.
Esdras foi o segundo dos três líderes a deixar a Babilônia para reconstruir Jerusalém. Zorobabel foi o primeiro. Depois veio Esdras, e então Neemias. Zorobabel reconstruiu o Templo; Neemias, os muros; e Esdras restaurou a adoração.
Qualquer pessoa que já atacou a tarefa de apresentar a Bíblia ao povo encontrará em  Esdras um amigo. Ele era um estudioso. Era um intérprete. De fato, a referência mais clara do AT, no que tange à exposição, é atribuída a Esdras. Ele era o chefe dos levitas, que "... declarando e explicando o sentido, faziam que, lendo, se entendesse" (Ne 8:8).
Você não aprecia esta frase: "explicando o sentido, faziam que... se entendesse"? Você não aprecia a pessoa que pode pegar a Palavra e revelá-la para a sua vida?
Talvez você seja capaz disto. Se assim é, permaneça fiel. Não há tarefa mais elevada.
Talvez você tenha um professor assim. Então seja agradecido. Não há amigo maior.

Autor: Esdras, o escriba.
Data: 450-400 a.C. 


Tópicos-chave:
  • Quando os hebreus receberam permissão de retornar à pátria, a sua restauração espiritual era tão importante quanto a nacional.
  • Restaurar o Templo era um passo significativo na restauração espiritual do povo.
  • A idolatria dos hebreus originava-se das esposas estrangeiras, que continuavam a adorar falsos deus. Foi por isto que se exigiu  dos homens separar-se de suas esposas.

Versículo chave:

Porque Esdras tinha preparado o seu coração para buscar a lei do Senhor e para cumpri-la e para ensinar em Israel os seus estatutos e os seus juízos.

Esdras 7:10

"Porque Esdras tinha preparado o seu coração para buscar a lei do Senhor e para cumpri-la e para ensinar em Israel os seus estatutos e os seus juízos". Esdras 7:10

Sumário

I. Inicia-se a Primeira Restauração 1:1 - 4:24
II. O Templo é Reconstruído 5:1 - 6:22
III. A segunda Restauração com Esdras 7:1 - 8:36
IV. A Reforma Moral e Espiritual 9:1 - 10:44