terça-feira, 13 de maio de 2014

O Ultimo Sacrificio

 

    O acontecimento anual sempre atraía uma multidão. O sumo sacerdote subia solenemente  os degraus do templo e levava nos braços um cordeiro. Enquanto o povo esperava do lado de fora, passava pela grande cortina e adentrava o Santo dos Santos. Matava o cordeiro sobre o altar e orava para que o sangue apaziguasse a DEUS. Os pecados eram removidos e o povo suspirava aliviado.
    A grande cortina permanecia como um lembrete da distância entre DEUS e o homem. Era como um abismo profundo que ninguém podia transpor. O homem em sua ilha... de quarentena por causa do pecado.
   DEUS poderia tê-lo deixado assim. Poderia ter deixado o povo isolado. Poderia ter lavado as mãos quanto àquela desordem. Poderia ter virado as costas, jogado a toalha e começado de novo num outro planeta. Ele poderia, você sabe.
   Mas não o fez.
   O próprio DEUS transpôs o abismo. Na escuridão de um sol eclipsado, Ele e um Cordeiro estiveram no Santo dos Santos. Deitou o Cordeiro sobre o altar. Não o cordeiro de um sacerdote, de um judeu, ou de um pastor, mas o Cordeiro de DEUS. Os anjos silenciaram quando o sangue do sacrifício suficiente começou a caiar no altar de ouro. Onde gotejara o sangue dos cordeiros, agora gotejava o sangue da vida.
   "Olhai para o Cordeiro de DEUS".
   "Não mais". E ela rompeu-se... de alto a baixo. Rasgou-se em duas.
   "Não mais!"
   "Não mais cordeiros!"
   "Não mais cortina!"
   "Não mais sacrifícios!"
   "Não mais separação!"
   E o sol saiu.