sábado, 22 de dezembro de 2012

34 - A PERFEITA ORDEM



Tudo o que acontece no céu é divino, em perfeita or­dem e tem um propósito.Tanto os anjos como os santos ocupam-se permanen­temente com um serviço excelente e alegre. Ninguém é ocioso. Ninguém se aborrece com nada. Os filhos de Deus, assim como os anjos e todas as criaturas celestiais o ser­vem de dia e de noite, eternamente.

Quando recebermos novos corpos celestiais após a ressurreição dos santos, nunca mais nos cansaremos, nem nos enfraqueceremos. Não mais saberemos o que é cansa­ço. O nosso corpo glorificado e sobrenatural jamais perde­rá o vigor. Na eternidade, o tempo está interrompido e as circunstâncias não poderão mais afetar a nossa mente, a nossa vontade ou mesmo o nosso corpo.

Para nos dedicarmos ao serviço e aos prazeres do céu, precisamos ter uma natureza celestial. E é isso que aconte­ce quando nascemos de novo — tornamo-nos "co-participan­tes da natureza divina" (2 Pedro 1:4), como explica Pedro:

"Visto como, pelo seu divino poder, nos têm sido doadas todas as coisas que conduzem à vida e à piedade, pelo conhecimento completo daquele que nos chamou para a sua própria glória e vir­tude, pelas quais nos têm sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas, para que por elas vos torneis co-participantes da nature­za divina, livrando-vos da corrupção das pai­xões que há no mundo?

(2 Pedro 1:3-4)

A arquitetura do céu foi projetada e construída na eternidade passada pelo Deus eterno. Num certo local eu vi o que parecia ser um quarteirão inteiro da cidade do céu. As construções eram muito grandes, e na parte supe­rior de cada uma havia uma enorme coroa feita de muitas jóias, o que era impressionante.

Não sei quantas pessoas moravam naqueles esplên­didos edifícios, porque não entrei em nenhum deles. Mas eles são todos espaçosos e majestosos, muito além de tudo o que você possa ter visto na terra.

O pensamento que me veio à mente foi que as Escri­turas falam que, quando trabalhamos para Jesus aqui na terra, armazenamos tesouros no céu (Lucas 18:22). Lem­brei-me dos seguintes versículos:

"E os vinte e quatro anciãos que se encontram sen­tados no seu trono, diante de Deus, prostraram-se sobre o seu rosto e adoraram a Deus, dizendo: 'Graças te damos, Senhor Deus, Todo-Poderoso, que és e que eras, porque assumiste o teu grande poder e passaste a reinar. Na verdade, as na­ções se enfureceram; chegou, porém, a tua ira, e o tempo determinado para serem julgados os mortos, para se dar o galardão aos teus servos, os profetas, aos santos e aos que temem o teu nome, tanto aos pequenos como aos grandes, e para destruíres os que destroem a terra'."

(Apocalipse 11:16-18)

"...porque grande é o vosso galardão no céu."

(Lucas 6:23)

"E eis que [eu, Jesus,] venho sem demora, e co­migo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras."

(Apocalipse 22:12)